Chocolate ♥

terça-feira, 22 de julho de 2014

A Mariana escolheu este pijama e eu aposto que o único critério foi o facto de conter aquela palavra com nove letras.



Comments: 2 comentários
Labels: , , ,

Diz que sou uma Fit Person

Estes sete hábitos aplicam-se-me ['aplicam-se-me' é giro], pelo que, se dúvidas houvesse, tenho agora a prova-que-vale-o-que-vale de que sou uma pessoa fit.

Só não preencho o requisito "treinar de manhã" [irrelevante, para o caso, já que treino na mesma], mas não é por falta de vontade, é mesmo por incompatibilidade de horários. No antigo ginásio estava lá todas as manhãs à mesma hora. [Mesmo quando não me lembrava estaria fechado por ser feriado. Enfim.]



Comments: 1 comentário
Labels:

Aquele momento

em que entras no carro depois deste ter estado umas seis horas ao sol.

Mesmo com estes dias de verão-ameno, já passei por experiências ligeiramente mais agradáveis.



Comments: 0 comentários
Labels:

Está-se bem.


Muito bem mesmo. Ninguém mexe, que é para não estragar!

Verões amenos são um presente dos céus para a minha pessoa-que-se-dá-mal-com-o-calor. Assim como as noites frias, com nevoeiro, que me fazem passar por montras decoradas com tecido verde e luzes e, por momentos, pensar que já estamos no Natal. Estou a ter alucinações, portanto. E nem sequer posso atribuir o facto aos efeitos do calor.





Comments: 0 comentários
Labels: ,

Keep Moving Forward

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Porque andar para trás no tempo ainda não é possível.
[Quando for, logo se verá.]




Há pessoas com sorte

e, depois, há as pessoas com muita [mas muita mesmo, para lá de muita até] sorte.

Como o ciclista holandês Maarten de Jonge, que, por duas vezes, trocou as voltas à morte ao mudar de bilhete e não embarcar nos voos MH370 e MH17 da Malaysian Airlines. [notícia aqui]

Por vezes o não ir por ali - mesmo que o queiramos muito - é o melhor que nos pode acontecer.





Comments: 2 comentários
Labels: ,

17

domingo, 20 de julho de 2014

17 julho 1996 | Boeing 747 da TWA terá sido abatido ao largo de Nova Iorque por um míssil americano (ainda hoje há polémica; explicação oficial é explosão num tanque de combustível).
17 julho 1997 | Primeiro voo do Boeing 777 da Malaysia Airlines (9M-MRD).
17 julho 2007 | Acidente com um Airbus 320 da TAM no aeroporto de Congonhas, São Paulo.
17 julho 2014 | Último voo do Boeing 777 da Malaysia Airlines (9M-MRD), abatido por um míssil (explicação mais provável), exatamente 17 anos depois do primeiro voo. Número do voo: MH17.





Comments: 4 comentários
Labels: ,

A Malaysia Airlines está assombrada

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Depois distoisto.



Comments: 3 comentários
Labels: ,

Something Blue :: Dance Blue

Adoro a minha nova t-shirt, mas, como quero gostar ainda mais dela, estou prestes a aniquilar a sua base arredondada. Vou pegar na tesoura e torná-la mais curta e retilínea. Ou inutilizável. Desejem-me sorte.

[4,49€ permitem-me estes desvarios. Se correr mal, fico com um top lindo para andar por casa. Ou então recorto a citação - hoje estou com a fixação das tesouras - e emolduro. Isso. Na volta ainda vendo o quadro no eBay e faço um excelente negócio para o meu lado. Se um vestido feito com 20 mil elásticos das pulseiras da moda foi arrematado por 215 mil euros, o meu quadro há de sempre valer um ou outro milhar.]




When fashion meets ballet

terça-feira, 15 de julho de 2014

my heart smiles.

Polina Semionova | Harper's Bazaar Germany, February 2014 | Photos by Jason Kim




Comments: 4 comentários
Labels: , ,

Da [com]postura

Chegar a um local, nomeadamente a uma empresa, e ouvir "aqui somos como uma família" causa-me urticária. Porque não há um único local onde tenha ouvido esse lema e não tenha assistido, mais tarde ou mais cedo, a atritos devido a essa [chamemos-lhe] filosofia empresarial.

Recentemente ocorreu num local que frequento enquanto cliente. Já se previa. Uma empresa com um ambiente demasiado informal [informal pode ser bom, demasiado informal é invariavelmente mau], onde todos se conhecem e tratam por tu e convivem no local de trabalho em pleno horário de trabalho e em que os clientes se misturam com funcionários, que se misturam com chefia, que se mistura com clientes, que se misturam com funcionários [o que é feito da hierarquia, da estrutura, dos limites, da postura, do profissionalismo?]. Não me parece que tenhamos de descer o nível [de exigência] e aumentar de forma desmesurada o nível de intimidade para haver um ambiente salutar. Pelo contrário, parece-me altamente contraproducente.

Co-trabalhadores inseparáveis, que se davam como irmãos [lá está] e se conheciam como ninguém, de repente, viram as relações pessoal e profissional acabarem em simultâneo porque não houve barreiras emocionais e profissionais de segurança. E a empresa e os clientes sofreram os danos colaterais.

Pessoas do mundo em geral e do mundo dos negócios em particular, pela vossa saúde [e da vossa empresa], considerem a substituição do tal lema familiar por:
"Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque."

Ou, numa versão de guerrilha, que conheço do ramo imobiliário:
"Vamos tratar-nos como inimigos para continuarmos todos amigos."

Ou, numa versão alcohol-free e mais friendly:
"Amigos, amigos, negócios à parte."

Ou, numa versão simplista:
"Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa."

Ou, numa versão à professor de Pilates:
"A [com]postura é importantíssima!"

Ou, numa versão muito direta:
"Empresa é empresa, família é família." - como li neste artigo que explana na perfeição o que penso sobre o tema.

Ou ainda, num registo mais international:
"Never mix business with pleasure."




Comments: 1 comentário
Labels: ,

Últimos saldos

Hoje começam os saldos. E deverão ser os últimos como os conhecemos. Vão deixar de ter data marcada, podendo ser realizados ao longo do ano.

Os comerciantes estão apreensivos, mas o certo é que deparamos, há muito, com constantes promoções, descontos, vales e uma série de outros 'subterfúgios' que não possuem a etiqueta 'saldos' embora tenham toda a aparência de.



Comments: 2 comentários
Labels: ,

Where We Are

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Na tarde de verão de 4/7/2004 estava no estádio de Braga a assistir, via ecrã, à final do Euro.

Dez anos depois [glup!], na tarde-que-virou-noite de verão de 13/7/2014 estava no estádio do Dragão a assistir ao concerto dos One Direction e fui informada do resultado da final do Mundial pelo Niall [obrigada, Niall, quem tem amigos tem tudo!]. Em pleno concerto, informou-me [a mim e a mais uns quantos milhares de pessoas que por lá andavam] que a Alemanha havia saído vitoriosa sobre a Argentina por 1-0, pelo que se comprova: Portugal e Brasil foram suplantados pelos melhores dos melhores. Antes assim.

Where We Are Tour | ONE DIRECTION | Estádio do Dragão - Porto





Dos melhores elogios que já recebi.

Eu e o meu marido falávamos sobre o M., médico, instrutor de fitness [foi meu professor e da minha filha] e excelente como professor e enquanto pessoa. O meu marido remata a conversa com a frase:
- Sempre achei a maneira de ser dele parecida com a tua.

E eu fiquei sem fala. Não sei se será bem/tanto assim, mas sabe pela vida ser comparada com boas pessoas.



Comments: 1 comentário
Labels: ,

Ser-se senhor doutor

Há a técnica e há a vocação. E depois há as duas. E depois há quem não se assista de nenhuma e seja médico. 

Profissões como a medicina e a docência exigem algo muito além do 18,3 a Biologia e Geologia, do 18,1 a Física e Química e, até, do 18,8 a Matemática. Estas artes requerem, de quem as pratica, valências inavaliáveis em exames nacionais ou em programas de ensino secundário. São qualidades de comunicação, de entrega, de disponibilidade perante o outro, de sacrifício pessoal, de amor ao que se faz, de desapego ao ego. É uma vontade de servir, é uma vocação. 

A medicina é a santíssima trindade do exercício da técnica, manteado pela vocação altruísta, num trabalho de equipa, ao serviço do outro. Em Portugal, para ingressar em medicina, conta a média e mais nada. Perdemos anualmente gente excecional na área da saúde, com 17,48, para admitir um, sem dúvida inteligente, mas inadequado e pretensioso jovem, com 19,12, que vê na saúde um trampolim empreendedor para um dia ser gente que pode. Queremos gente que não queira ser gente. Gente que encontre a dignidade no seu trabalho e não num desfile de estetoscópio. É aquela médica ali ao fundo que, ao fechar a porta, despedindo-se da senhora idosa que vai a sair, esboça um sorriso discreto, como quem pensa de si para si, dever cumprido. É dela que eu falo. 

Suspeito que o curso de medicina, com as todas as suas praticalidades, filtrará algumas almas em desajuste que por lá passeiem. Mas também sei, porque vou ao senhor doutor, que isso não chega. Em Inglaterra, por exemplo, o sistema de admissão às faculdades de medicina é rigoroso e blindado. As candidaturas incorporam, além das médias e exames, cartas de motivação pessoal, cartas de recomendação dos professores e, muitíssimo importante, entrevistas com vários docentes universitários que apreciam a aptidão de carácter e a competência moral dos candidatos. O Ministério da Educação, em colaboração próxima com o Ministério da Saúde, deveria proceder à elaboração de um protocolo semelhante, principalmente focando a questão das entrevistas, como meio de indagação e de seleção dos melhores candidatos e como meio de humanização de futuros médicos que têm que ser mais que bons técnicos. 

Daniel Catarino da Silva | Público




Comments: 5 comentários
Labels:

Ando a comprar revistas

quinta-feira, 10 de julho de 2014

para os meus filhos fazerem de mim gato-sapato se insurgirem contra mim:

Visão Júnior Julho 2014




Comments: 2 comentários
Labels: ,

Remember This

“Refresca teu coração. Sofre, sofre, depressa, que é para as alegrias novas poderem vir.” João Guimarães Rosa Ave, Palavra



Ou num registo muito-muito-muito menos eloquente: incha, desincha e passa.





It's a German

Neste Mundial estava obviamente a torcer por Portugal. Se não fosse Portugal, que fosse Espanha. Mas nenhuma das duas seleções, que aparentemente têm este inovador projeto musical em mãos, foi em frente e passei, então, a torcer pelo Brasil. Confesso, contudo, que na meia-final, após uns quantos golos de rajada da Alemanha, acabei por me render à racionalidade/firmeza/tecnologia alemã. Há que reconhecer: não há igual, até a festejar os alemães são cirúrgicos.

Ontem torci pela Holanda, como é habitual quando já não estão as outras seleções em competição, mas a final vai mesmo ser entre a Alemanha e a Argentina. E embora sem grande empolgamento, acho que vou torcer pela Alemanha, quanto mais não seja para que possamos concluir que Portugal e Brasil [os brasileiros perderam mas no sentido de humor foram geniais, a comprovar que, mesmo quando tudo falha, o sentido de humor salva-nos sempre - rir para não chorar] foram suplantados pelos melhores dos melhores.